O que eu faço com tudo que sinto?

05/05/2017

Qual é a capacidade que você tem para lidar com os seus sentimentos? 

Eles parecem ser maiores do que você? 

Sente-se dominado e completamente fora de si?

Algumas pessoas sentem não ter o menor controle sobre as suas emoções e pensamentos. Saem por aí movendo céus e terras em nome de ideias e sentimentos devastadores. Quando caem em si, acabam tendo que lidar com consequências difíceis, dolorosas e caras. Outras vezes, responsabilizam pessoas ou situações por algo ruim que estejam pensando ou sentindo. Não se dão conta de que ninguém tem o poder de abrir a cabeça de ninguém e programar ideias ou mesmo encher corações de sentimentos.

Vamos mudar a maneira como você lida com você mesmo, com as outras pessoas e com o mundo?

Nesse texto listo oito dicas práticas para que você retome o controle da situação e dome seus leões!

  1. Você não é aquilo que pensa e sente. Tente se lembrar das vezes em que conseguiu agir contrariamente ao que estava pensando ou sentindo. E aí, conseguiu? Pois é, descole-se de pensamentos e sentimentos negativos, desconstrutivos e incapacitadores. Você é muito mais do que suas ideias e emoções.
  2. Esteja consciente do que é realmente importante para você. Deixe seus valores falarem mais alto e serem como bússolas. Valores são coisas como: "eu quero viver com alegria e energia", "eu quero priorizar a minha saúde" ou "eu quero tratar as pessoas com amorosidade".
  3. Fique atento aos seus valores, mesmo que nesse momento você pense e sinta de uma maneira diferente. Mesmo ansioso, com medo, raivoso, triste ou preocupado, mantenha o seu foco no que realmente importa.
  4. Se você ainda não sabe o que é realmente importante para você, separe tempo e energia para dar conta dessa tarefa em primeiro lugar.
  5. Não tome decisões importantes se você estiver com algum sentimento à flor da pele.
  6. Se o danado do pensamento estiver martelando na sua cabeça, se aquele sentimento ruim te persegue dia e noite, de maneira insistente, por um longo período de tempo, então pare para processar e analisar o que anda acontecendo. Se necessário, peça ajuda de alguém de confiança ou de um profissional.
  7. Converse sobre o que está sentindo, assumindo-se como dono e responsável por tudo aquilo que acontece com você. A parte boa disso tudo é saber que você é o principal agente de mudança e que tem o poder de alterar os rumos da própria vida.
  8. Lide com você mesmo de uma forma paciente e amorosa, valorizando acertos e perdoando falhas.
  9. Dê-se tempo e espaço. Ficar sozinho pode ser bom.

Texto: Gabriela L. Campos - Psicóloga Comportamental na CLIPEE.

Para agendar uma consulta, clique no botão abaixo.